A Rainha de Copas desaparece do baralho de cartas e o Rei decide encontrá-la nem que isso leve a uma guerra.

Rainha de Copas foi um trabalho que comecei a desenvolver em Janeiro de 2010, foram 5 dias de gravação utilizando cartas de baralho, cartas do jogo de tabuleiro de War II (risk, em inglês) e massa de modelar para as cartas ficarem em pé.

Depois de gravado, começou o trabalho de edição bruta em que juntavam-se todas as fotos no programa de edição de vídeo Sony Vegas. Dependendo da cena, o FPS (quadros por segundo, do inglês frames per second) variou de 4 à 16 dependendo da cena.

A dublagem foi meu maior problema, pois estava em dúvida se fazia dublagem com pessoas normais, fazia vozes incompreensíveis ou mesmo se usava vozes dos personagens de cinema para cada carta. Só em Setembro decidi usar vozes de pessoas e comecei a fazer o trabalho de dublagem, demorou uns 4 dias e 6 amigos pacientes. Paralelamente fiz os efeitos de “explosão”, “sangue”, “fumaça” e “tiro” usando o after effects e o Photoshop.

As músicas tem direitos autorais livres e foram encontrados em sites especializados, como o incompetech.

Mas por fim está aí. Um trabalho do qual gosto muito, achei que ficou meio longo para o Youtube, mas como curta-metragem está OK. Espero que gostem!

Curiosidade: Eu havia gravado algumas cenas de futebol em Stop Motion, essas cenas seriam passadas paralelamente à aventura das cartas mas decidir retirar da edição final para encurtar o vídeo.

 

Se gostarem, por favor, comentem.

Se não, comentem também!

Anúncios

Faz realmente MUITO tempo que não posto no blog, esse com certeza foi meu recorde de hiato. É aquela velha história: fazer vídeos, mestrado, mulheres e vídeo-game… Não sobra tempo para o bom da vida, escrever nerdisses.

Pois bem, já há algum tempo eu estava pensando uma coisa muito séria.

A academia.

Não falo daquela que eu freqüento, cheia de livros empoeirados e professores barrigudos. A academia que eu queria falar tem coisas pesadas, máquinas que podem te matar, homens-coxinha, aquelas músicas estranhas e mulheres padrão photoshop.

E também não quero dizer que eu vou fazer academia, mais sim falar sobre ela.

Depois que minhas aulas de educação física no ensino médio deixaram de ser obrigatórias, decidi que a vida sedentária era a melhor escolha possível. E desde então cumpro esse sacrifício assiduamente.

Até que um dia, por influência de amigos e da namorada na época, acabei indo pra academia, malhar. Experimentar só por um dia, já que no fim das contas sou um cara de ideais.

Já de cara fiquei longe daqueles pesos complicados e me restringi a malhar as pernas, para diversão dos meus amigos-homem-coxinha.

“Frutinha”

Frutinha é o caralho, se um dia tretasse com alguém ou um ladrão quisesse me assaltar e tivesse que sair no braço com o cara provavelmente eu perderia minha inocência. Mas se eu tivesse pernas preparadas, correr me garantiria uma maior possibilidade de poder contar a história para meus netos.

E outra coisa, se vivêssemos num mundo pós-apocalíptico infestado por zumbis ou mesmo zergs, a lei da selva estaria do lado das pessoas que correm e não das que ficam.

Meu grande amigo Carlos (kk) é um grande fã dos Rolling Stones, hoje estou realizando um sonho dele, de não só estar junto dos seus ídolos, como também participar do grupo. tá aí KK.

The Rolling Stones

Como sempre, meu amigo Vandsu é alvo das minhas sacanas montagens, em “A Sociedade do Vandsu”, o pessoal de Arquitetura também entra na brincadeira.

Que coisa feia, véio.        Carlos (kk)

Vandsu Del Sent - A Sociedade Do VAndsu