Ficou mais ou menos assim minha pizza =)Fazer seu próprio almoço não é fácil, todo estudante universitário que mora longe de casa sabe disso. Complica ainda mais quando você quer assar pizza no forno da faculdade em pleno meio dia cuiabano, e com aquele carvão do Vandsu que parece mais pedra do que carvão: não acende de jeito maneira.

Lá estava eu suando feito um porco, parecia que tinha acabado de sair do banho sem me secar, tentando de todo o jeito fazer brotar um foguinho daquele monte de pedra preta. Eu enrolava um jornal, ateava fogo e esperava que a luz chegasse àquele lugar esquecido por Deus.

Enquanto arrumava os jornais antigos pra alimentar o fogo, parava pra ler as notícias mais chamativas. Nada de mais, até que uma me chamou a atenção, entre a nota que a Siri do BBB-7 ia posar para a revista playboy e a de um político que tinha roubado não sei quanto, tinha a foto de um cara muito engraçado com os dizeres: Técnico em informática escreve pior começo de livro do mundo.

“A ruindade gramatical e o humor duvidoso de Jim deixaram para trás milhares de concorrentes no Bulwer-Lytton Fiction de 2007, organizado pela Universidade Estadual de San Jose.” dizia o jornal. Esse concurso de bad writing na Califórnia, segundo Sérgio Rodrigues é onde “os participantes inscrevem ‘começos inesquecíveis’ escritos, de propósito, com o maior número possível de clichês literários”. Rasguei aquele pedacinho, coloquei no bolso, e esperei a próxima vez que fosse usar um computador pra pesquisar mais sobre a história.

O site onde são anunciados os ganhadores tem também as regras de como participar. É um site bem mal feito, talvez até para ambientar o lugar. Lá, de primeira mão você já vê a frase que deu origem à competição escrita pelo próprio Bulwer-Lytton em 1830: “Era uma noite escura e tempestuosa (…)”.

Ruim ou não, gostei do que Jim Gleeson, o técnico em informática, escreveu. Até me instigou a escrever assim também. Se quiser ver a frase dos ganhadores de cada ano, clique aqui. Se não, aqui vão os três últimos.

“Gerald começou – mas foi interrompido por um assobio cortante que custou a ele 10% de sua audição permanente, como aconteceu a todo mundo em um raio de 10 minhas de erupção, não que isso importasse muito porque para eles ‘permanente’ significava os próximos dez minutos ou até eles serem enterrados pela lava ou sufocados pelas cinzas – a mijar.”

            Em 2008, a vez foi de Garrison Spik, com a frase “Eles tinham um amor de Nova Iorque, um táxi quadriculado passeava com a borracha dos pneus queimada, e assim como a cidade, sua paixão aflorava. 24/7, o vapor saia dos seus corpos como as ruas ensebadas exalavam uma quente, úmida e branca respiração através do bueiro”.

            Esse ano, o campeão foi David McKenzie: “Dizem que se você apurar bem os ouvidos quando a lua cheia está no mais alto do céu, o vento sopra no Estreito de Nantucket vindo do nordeste e os cães uivam por nenhuma razão terrena, conseguirá ouvir os gritos terríveis da tripulação do Ellie May, uma robusta e mentirosa equipe liderada por John Mctavish; isso foi em apenas uma noite quando o rum fluia e, Davey Jones era amaldiçoado, grande John trouxe seus homens ao convés pelo primeiro de vários concursos de gritos”.

Depois disso espero melhorar meus textos ou pelo menos usar mais jornal para as pizzas.

Creative Commons License
Dia de Dino by Maurício Falchetti is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.